Hormonologia e endocrinologia: quais são as diferenças?

Compartilhe

Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
hormonologia e endocrinologia

Hormonologia e endocrinologia são especialidades que caminham de forma paralela, porém, independentes uma da outra.

Existe uma grande confusão entre o que tange ambas áreas da medicina, afinal, contam com os hormônios como medidor essencial para aquilo que se propõem.

Compreender as particularidades de cada uma é essencial para profissionais de saúde e mesmo para conhecimento da população geral, a fim de entender melhor os processos do próprio organismo.

De que se trata a endocrinologia?

A endocrinologia encarrega-se de avaliar as ações hormonais sob a ótica da detecção de doenças ou alterações metabólicas que possam levar a doenças ou comorbidades.

Alguns exemplos são o hipertireoidismo, a obesidade, diabetes e outras doenças que possam estar relacionadas a declínios hormonais.

Após o diagnóstico de declínios ou excessos, a endocrinologia usa tais parâmetros para identificar essas doenças e tratá-las.

Normalmente, essas condições estão relacionadas às glândulas endócrinas, responsáveis pela produção dos hormônios.

Assim, a endocrinologia não se ocupa de avaliar os efeitos dos hormônios no organismo, como é o caso da hormonologia. Mesmo assim, é uma área nobre que merece toda atenção e reconhecimento.

A hormonologia

A hormonologia procura usar os princípios das funções hormonais com o objetivo de manter as pessoas saudáveis.

É isso mesmo, hormônios constituem uma matéria-prima tão universal e holística que a sua observação pode visar tanto a descobertas de comorbidades quanto para tratar a saúde.

Hormônios são mensageiros químicos que governam a vida!

São produzidos em estruturas celulares chamadas glândulas e, a partir do momento em que são liberadas na corrente sanguínea, viajam em busca dos receptores das células, onde podem ligar-se e exercer suas funções.

Ao adentrar o núcleo da célula, algumas das suas atribuições são:

  • Restauro, reparo e comando;
  • Destoxificação;
  • Controle de permeabilidade da membrana celular.

Uma vez no núcleo, o hormônio tende a expulsar das células aquilo que não serve e priorizar seu bom funcionamento.

É por isso que o equilíbrio hormonal tende a repercutir em todo o organismo, que passa a funcionar em uníssono.

Chamamos esse processo de homeostase do meio interno. Os hormônios são as moléculas constituídas pela natureza para manter o controle sobre todas essas funções.

Leia também: Quais as diferenças entre esteroides anabolizantes e reposição hormonal?

Qual é a conclusão?

O princípio básico que leva o corpo humano ao equilíbrio é o equilíbrio hormonal.

No entanto, esse equilíbrio é rompido gradualmente conforme o avanço da idade cronológica.

A partir dos 25 a 30 anos, a produção hormonal cada vez mais deixa de fazer sentido afinal, do ponto de vista biológico, provavelmente o ser humano já deve ter se reproduzido.

Conforme os hormônios entram em declínio, porém, os processos de anabolismo e catabolismo celulares também são prejudicados.

O propósito da hormonologia é reequilibrar essa perda natural, identificando quais hormônios o organismo deixa de produzir e realizando a reposição através dos hormônios bioidênticos.

E, assim, o corpo pode receber a oportunidade de recuperar a sua capacidade de restauro e de reparo.

É por isso que o domínio dos preceitos da hormonologia transcende especialidades e áreas da saúde. Não existem justificativas para um profissional responsável por cuidar da saúde das pessoas ignorar o funcionamento dos hormônios, afinal, são os regentes da vida.

Quer seja um médico especializado em metabologia, cardiologia, endocrinologia, neurologia, ou mesmo seja um educador físico, enfermeiro, fisioterapeuta, nutricionista…

A base estrutural voltada à prevenção e promoção da saúde é a hormonologia.

Espero ter esclarecido neste artigo as diferenças entre hormonologia e endocrinologia.

Até a próxima!